Por que investir nas ONGs?

Toda pessoa que se dispõe a doar seus recursos para uma ONG deve fazer uma pesquisa para saber seu histórico e sua atuação, conferindo se esse investimento será realmente utilizado para fazer o bem ao próximo. Uma entidade do terceiro setor que se mostre transparente e sustentável faz a diferença no mundo e supre uma necessidade não atendida pelo Estado. Dentro dessa ideia, apresentamos três motivos que o convencerão a investir nas ONGs.

Quais os cuidados que você deve tomar ao escolher uma entidade? Veja por que e como investir em uma organização confiável!

O terceiro setor é um ator social importante para um país

Por definição, o terceiro setor, composto por organizações privadas da sociedade civil sem fins lucrativos, atua nas brechas deixadas pelo setor público (primeiro setor) e privado (segundo setor), buscando a promoção do bem-estar social. Ele trabalha para realizar objetivos sociais que suprem essas carências da população relacionadas à saúde, educação, cultura, meio ambiente e outras áreas.

Considerando essa atuação, é fácil perceber que as ONGs são importantes atores sociais para um país, conferindo benefícios relevantes para a população. Vivemos em uma situação de crise econômica grave, no Brasil e no mundo, o que compromete a transferência de recursos estatais para áreas importantes da sociedade, como saúde e educação.

Neste momento, a atuação das ONGs se torna uma forma de apoio das pessoas que dependem desse investimento, que foi reduzido com a crise econômica. Essa é apenas uma das situações que demonstram a relevância do terceiro setor para o país.

Desenvolvimento regional

Além dos benefícios oferecidos para pessoas que precisam de apoio, as ONGs oportunizam a criação de uma comunidade em torno do seu local de atuação. A união das pessoas em torno de uma causa que as atinge é uma forma de interação social relevante, que desperta outros sentimentos que podem contribuir para o desenvolvimento regional.

As doações são essenciais para a sobrevivência das ONGs

A principal fonte de financiamento das ONGs é a doação em seus diversos tipos: dinheiro, tempo, voluntariado. Atualmente, tem crescido outro tipo de doação, que é o financiamento coletivo, realizado por plataformas virtuais.

Essa é uma modalidade que se assemelha à popular “vaquinha”, com a diferença que oferece algo em troca para o doador. Independente do tipo, a necessidade de sobrevivência já é, por si só, um motivo para se investir nas ONGs.

Considerando os benefícios que essas entidades proporcionam à sociedade, é preciso garantir sua sustentabilidade, para que continuem agindo nas lacunas deixadas pelo poder público e para que amparem os necessitados. Por isso, o investimento nas ONGs é um ato de amor ao próximo e à sociedade como um todo.

Sensação de prazer ao realizar uma doação

Ajudar o próximo não é só um mandamento cristão. É uma ação que, independente de religião, provoca-nos os melhores sentimentos de felicidade e realização.

Ao realizar uma doação, sentimos que estamos contribuindo para melhorar a vida do outro. Inclusive, em pesquisa recente, ficou comprovado que, ao realizarmos algum tipo de benfeitoria, ativamos uma região do cérebro que nos garante a sensação de prazer.

A união de esforços gera impactos positivos para a sociedade

Certamente, você já ouviu falar que, em determinada comunidade, os moradores se unem para construírem a casa do outro. Enquanto todos daquele local não possuírem sua moradia, os trabalhos não cessam.

Esse pensamento de que “a união faz a força” faz muito sentido também, quando aplicado ao investimento nas Organizações Não Governamentais. As empresas e o poder público podem unir esforços com as entidades de terceiro setor para gerar impacto positivo na sociedade e no meio ambiente.

Como bônus, conseguem se beneficiar com a atitude. O particular se beneficia com o sentimento de realização pessoal provocado. O poder público consegue ver sua função sendo exercida por terceiros e as empresas privadas podem associar sua marca a uma ação louvável, gerando valor de mercado.

Parceria entre o ChildFund Brasil e a P&G

Grandes parcerias entre empresas privadas e ONGs têm ganhado os noticiários brasileiros por trazerem grande impacto nas comunidades onde atuam. Gigantes como AMBEV, Correios, Havaianas, TAM, Danone, Telefônica e P&G firmam parcerias com as ONGs para, mutuamente, aumentarem seu raio de ação. A associação da marca a uma causa ou a uma organização social é uma via de mão dupla que vem dando resultado ao redor do mundo.

Uma parceria destacada no país é a associação do ChildFund Brasil com a P&G. O projeto “Água Pura para Crianças” melhora a saúde de crianças e famílias no Vale do Jequitinhonha – MG ao provê-las com água potável pelo sachê de purificação, que transforma água imprópria para consumo em água potável. O projeto é bastante aclamado por seu impacto.

Fundação Telefônica Vivo

No mesmo local, o ChildFund Brasil firmou parceria com a Fundação Telefônica Vivo para combater e prevenir o trabalho infantil, projeto conhecido como “Melhor de mim”. Por meio da conscientização dos públicos diretamente envolvidos e do uso das tecnologias sociais, beneficiam crianças e adolescentes entre 6 e 14 anos de idade e suas famílias.

Cuidado ao escolher uma ONG

Muitas pessoas que têm vontade de realizar doações para as ONGs ficam reticentes diante dos inúmeros casos de fraudes nessas organizações, que desviam os recursos doados para fins que não se adequam à proposta. Para que os recursos sejam destinados para o bem-estar social, é preciso ter cuidado ao escolher a entidade, o que passa, basicamente, pela análise de alguns pontos básicos:

  • Transparência: a entidade deve realizar prestação de contas com uma periodicidade que proporcione ao investidor examinar a destinação dos recursos;
  • Qualidade de gestão: uma organização que realiza uma gestão estratégica, é capaz de cumprir sua missão conforme seus valores. Os objetivos traçados estão sempre à disposição do investidor, que consegue acompanhar o andamento dos projetos;
  • Impacto social: além da prestação de contas, as ONGs precisam demonstrar, em dados reais, o impacto social gerado pelas suas ações. Se a entidade não apresentou documentos que retratem seus programas, pode ser um sinal de alerta;

Em suma, o investidor precisa ter acesso a todos os dados, com o fim de verificar se a organização não é fraudulenta, se há responsabilidade ética, sustentabilidade e controle social. Todas essas características podem ser encontradas no ChildFund Brasil – Fundo para Crianças, que é uma ONG cujo objetivo é apoiar o desenvolvimento de crianças em situação de privação, exclusão e vulnerabilidade social. Assim, ele torna esses jovens capazes de realizar melhorias em suas vidas e dão a eles oportunidade de se tornarem adultos, pais e líderes que conferirão mudanças sustentáveis e positivas às comunidades.